A importância da teoria das pulsões para psicanalise – Trabalho feito

A importância da teoria das pulsões para psicanalise

Pulsão é uma força de pressão constante que alcance a mente apartir de uma fonte somatica, tem um objecto variavel atraves do qual a finalidade é de obter satisafacao, embora por sua natureza de precionar constantemente não se satisfaça completamente mas do modo parcial justamente porque não há uma acção adequada que elimina o estado de estimulação na fonte. 
Garcia – Roza (2005) define pulsão como instinto que se desnaturalizou, que se desvia de suas fontes e de seus objetos específicos, sendo ela o efeito marginal desse desvio. A pulsão se apoia no instinto, mas não se reduz a ele.
A pulsão e a energia psíquica profunda que direciona a ação até um fim, refere-se a algo dinâmico que e influenciado pela experiência do sujeito.
Freud(1915) Usou a teoria das pulsões para defender a sexualidade infantil. Ele fala que a antítese entre consciente e inconsciente não se aplica as pulsões, se a pulsão não se prendeu a uma ideia ou não se manifestou como um estado afetivo, nada poderemos saber sobre ela. A pulsão nunca se dá por si mesma, nem a nível consciente, nem a nível inconsciente, ela só e conhecida pelos seus representantes; O representante ideativo e o representante afetivo.
O representante ideativo são as catexias, basicamente de traços de memória.
O represente afetivo e a expressão qualitativa da quantidade de energia pulsional. Afetos correspondem a processos de descarga, cujas manifestações finais são percebidas como sentimentos. Para Freud o afeto pode permanecer, ser transformado, ou e suprimido. Suprimir o desenvolvimento do afeto constitui a verdadeira finalidade do recalque e que seu trabalho ficara incompleto se essa finalidade não for alcançada.
Exemplo de pressão, fonte, e meta ou finalidade.
Segundo o pai da psicanalise que distinguiu vários momentos da pulsão, a fonte, o esforço ou pressão, a meta ou finalidade, e o objeto , podemos relacionar isto numa das fases do desenvolvimento psicossexual. Na fase Anal por exemplo podemos relacionar a fonte como o anus, a pressão como o desejo de ir a latrina, objecto digamos que são as fezes e o acto de defecar como finalidade pois atinge a sua sexualidade.